Bombarral

O concelho de Bombarral está inserido numa fértil região agrícola, fruto do trabalho dos monges de Alcobaça, de pereiras, de colonos e de agricultores e ainda da natureza em si.
É composto por quatro freguesias (União de Freguesias de Bombarral e Vale Covo, Freguesias de Carvalhal, Pó e Roliça), tem cerca de 91,7 km2 e 13.324 habitantes. Tem uma situação geográfica privilegiada, encontra-se no extremo Sul do Distrito de Leiria, no centro da Região de Turismo do Oeste, a 75 km de Lisboa e a 20 km do Oceano Atlântico. Está ladeado a Norte pela vila de Óbidos e pela cidade de Caldas da Rainha, a Oeste pelos concelhos da Lourinhã e Peniche, a Sul pela cidade de Torres Vedras e a Este pela vila vizinha, o Cadaval.
Actualmente a A8 é a sua grande via de comunicação.
Em termos de História, embora o nascimento do concelho de Bombarral remonte apenas a 29 de Junho de 1914, existem aqui vestígios de fixação humana desde os primórdios da pré-história: Gruta Nova, Lapa do Suão, fortificação neolítica da Columbeira e o Castro de São Mamede são disso bons exemplos.
Com a formação de Portugal e por doação de D. Afonso Henriques, em 1153 os seus terrenos passaram a pertencer aos monges de Cister. Mais tarde, por aqui passaram e pernoitaram vários reis de Portugal e também D. João I de Castela. Aqui esteve D. João I de Portugal, antes da batalha de Aljubarrota, acompanhado do seu Mantieiro-mor, Luís Henriques, na casa da coutada, mais tarde paço e hoje Câmara Municipal.
No dia 17 de Agosto de 1808, o seu solo foi palco da luta pela independência com a já afamada Batalha da Roliça, na qual o exército anglo-luso, comandado pelo General Wellesley, futuro Duque de Wellington, se sagrou vencedor.
Deste modo, o Bombarral não se pode dissociar da formação da nação e da sua luta pela independência e libertação.
A história deste concelho, ou do seu território, deixou vestígios podemos hoje apreciar. Destes, destacam-se diversas casas senhoriais, pequenos palacetes (mandados construir por pessoas influentes na vila, ou por produtores agrícolas enriquecidos pelas boas culturas derivadas da fertilidade dos solos) como a Quinta dos Loridos, o Palácio dos Henriques (actual Câmara Municipal de Bombarral), o Palácio Gorjão e o Solar dos Mello e Castro. O património religioso está também bastante presente no município, distribuído pelas várias freguesias, e, neste, dá-se destaque à Ermida de São Brás, Capela da Madre Deus, Ermida de Nossa Senhora do Socorro, Capela do Santíssimo Sacramento e Igreja Paroquial do Senhor Jesus e São Pedro. Já no século XX, foi construído o Teatro Eduardo Brazão e a Estação de Caminhos de Ferro, que trouxe dinâmica à região. Outro destaque no concelho, mais recente, é o Buddha Eden, um espaço com 35 hectares, idealizado e concebido pelo comendador José Berardo, em resposta à destruição de Bayman, naquele que foi, um dos maiores actos de barbárie cultural, que apagou da memória obras primas, do período tardio da Arte de Gandhara.
Para apreciar na região há ainda uma série de passeios pedestres, bem como o enoturismo, dois destaques nesta belíssima região natural. 



Fonte: Câmara Municipal do Bombarral

O site Viver no Centro de Portugal utiliza cookies. Ao navegar está a concordar com a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies. Aceito
Encontre aqui o que procura